8.3 C
Vila Real
Terça-feira, Janeiro 19, 2021
Inicio Opinião E dos que não têm casa que notícia?

E dos que não têm casa que notícia?

Ontem, com a história da tempestade, não descansei enquanto não tive a minha ninhada toda em casa. Depois de ir buscar a Maria à creche, faltava-me os mais velhos chegarem da faculdade. Por volta das 20:00 h a Smartieteen chegou encharcadinha até aos ossos, mas finalmente já estávamos todos em casa, e eu fiquei mais tranquila.
De repente veio-me à memória a história dos três porquinhos. Lembrei-me daqueles que em vez de casa de tijolo, têm casa de madeira ou de palhinha.
À hora do jantar vi muitas reportagens sobre casas e lojas inundadas, vi a tristeza de uns quantos desalojados, e a notícia de uma lamentável morte. E é triste de facto. Muito triste.
Mas e os que nem casa têm? Os que tiveram de passar esta noite na rua, à chuva e ao vento? Veio-me à memória os rostos de alguns dos “meus” sem-abrigo.
Há semelhança do que foi feito em anos anteriores em noites de temperaturas demasiado baixas e com a violência dos ventos e da chuva de ontem, bem que se podia ter permitido a estas pessoas recolherem-se nas estações de metro ou em abrigos por esse país fora.
Desta vez não houve esse cuidado, ou houve?
Não estava um frio de rachar, é verdade, mas aquilo não eram condições para ninguém permanecer sem qualquer tipo de recolhimento.
Não devo com toda a certeza ter sido a única a pensar nisto, mas o que me espantou foi que não houve um único canal de televisão que mencionasse sequer o assunto. Pelo menos que eu tenha visto. Uma pessoa não consegue ver e ouvir todos os canais ao mesmo tempo, e perdoem-me se algum jornalista mencionou o tema, porque mais do que mostrar a desgraça dos efeitos da tempestade, também compete à comunicação social pensar nestas alturas em quem vive na rua, questionar o que por eles se está a fazer, o que não se está a fazer, e por que razão não se fez.
Chama-se meter a boca no trombone ou escrever aquilo que ninguém quer ver escrito, mas que precisa de ser dito. Tudo o resto são as chamadas “reportagens para encher chouriços”, que foi o que eu me fartei de ver ontem.

Susana Esteves

Artigo anteriorTemporal
Próximo artigoElsa já passou, está aí o Fabien

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, introduza a sua mensagem!
Por favor, introduza o seu nome aqui

Últimas Notícias

Martim Pereira, o talento Penaguiota

Martim Pereira, Fontense de gema, tem 12 anos e é tido como a futura promessa do futebol português. Quem o conhece, fala da personalidade discreta e humilde que o caraterizam. Embora discreto, o seu talento a dominar a bola não passa ao lado dos olheiros do futebol, a quem desde cedo começou a despertar a atenção.

Tomada de posse dos órgãos sociais da FCM

Durante o dia de ontem decorreu a cerimónia de tomada de posse da nova direção da Fundação Dr. Carneiro Mesquita (FCM).

Agência CA de Fontes reabre na próxima semana

Durante a fase crítica da pandemia provocada pela COVID-19, esta agência CA manteve-se em permanente contacto com a Junta de Freguesia, no sentido de continuar a disponibilizar os serviços mais urgentes aos clientes fontenses, como o transporte e entrega das pensões aos mais carenciados ou grupos de risco e o permanente funcionamento do Multibanco.

Comércios Fontenses em tempos de pandemia – Móveis Chico e Supermercado

A vila de Fontes, em Santa Marta de Penaguião, é uma das localidades que, até ao momento, não registou qualquer caso de infeção por coronavírus.

Comentários Recentes

Graça Jacinto on Na cavaqueira com…
Lurdes Teixeira on Na cavaqueira com…
Graça Jacinto on Na cavaqueira com…
Graça Jacinto on Na cavaqueira com…
Acacio Mesquita Carvalho on Na cavaqueira com…
Graça Jacinto on Acidente mortal no Cóvo