33.1 C
Vila Real
Sexta-feira, Julho 10, 2020
Inicio Opinião Mulheres aos biliões

Mulheres aos biliões

Escrevi este texto para a minha participação pessoal no jantar no Dia Internacional das Mulheres, em Fontes

Este é o jantar do Dia da Mulher e passa-se no Dia Internacional das Mulheres. Sei que na grande maioria dos meios de comunicação, tanto tradicionais como nas redes sociais, lhe chamam dia da mulher.

Mas o seu nome é Dia Internaional das Mulheres e comemora-se desde 1909, tendo sido tornado oficial pela ONU em 1975, não estou certa, mais ano menos ano. Eis a razão do Internacional. A razão do plural Mulheres, em vez do singular mulher, vem do facto de ele ser o dia de todas as mulheres e não de uma espécie de mito da Mulher, que é coisa que não existe. Somos biliões e cada uma de nós é uma mulher diferente. Mulheres, pois. E aqui fica uma pequena enumeração:

Brites de Almeida – padeira (sim, a de Aljubarrota) – sec. XIV

Carolina Beatriz Ângelo – médica e primeira mulher a votar em Portugal em 1911

Antónia Adelaide Ferreira (a Ferreirinha) – mulher de negócios – sec. XIX

Catarina Eufémia – ceifeira alentejana, dirigiu uma revolta de ceifeiras e foi morta pela PIDE – sec. XX

Rosa Mota – está vivinha da silva

Maria de Lurdes Pintassilgo – engenheira e Primeira-Ministra sec. XX

Antónia Rodrigues – única cavaleira condecorada pelo exército durante séculos – sec. XVI

Ana de Castro Osório – percursora da literatura infantil, sufragista e feminista – sec. XX

Matilde Bensaúde – fitopatologista e investigadora – sec. XX

Maria de Lurdes Braga de Sá Teixeira – aviadora e feminista sec. XX

Xica da Silva – escrava negra liberta, gestora de património sec. XVIII

Isabel Rilvas – piloto acrobata e impulsionadora das enfermeiras paraquedistas – sec. XX

Virgínia Quaresma – negra, jornalista, feminista e símbolo das minorias – sec. XIX

Todas estas mulheres lutaram para que nós hoje pudéssemos estar aqui sentadas a jantar tranquilamente, em vez de fechadas em casa. Todas elas, à excepção da querida Rosa Mota, já morreram. Mas há outras que, bem vivas, continuam a lutar para que não percamos e se cumpram os nossos direitos. Sim, podemos perdê-los, por isso é bom que estejamos de atalaia. Por todas elas e pelas que morreram apenas por serem mulheres, e são tantas, peço-vos que façamos um brinde.

A todas as que vieram antes de nós e às nossas filhas e netas e demais futuras gerações para que nunca conheçam a falta de liberdade.

E agora que a festa continue, que também é preciso!

Graça Jacinto

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, introduza a sua mensagem!
Por favor, introduza o seu nome aqui

Últimas Notícias

Martim Pereira, o talento Penaguiota

Martim Pereira, Fontense de gema, tem 12 anos e é tido como a futura promessa do futebol português. Quem o conhece, fala da personalidade discreta e humilde que o caraterizam. Embora discreto, o seu talento a dominar a bola não passa ao lado dos olheiros do futebol, a quem desde cedo começou a despertar a atenção.

Tomada de posse dos órgãos sociais da FCM

Durante o dia de ontem decorreu a cerimónia de tomada de posse da nova direção da Fundação Dr. Carneiro Mesquita (FCM).

Agência CA de Fontes reabre na próxima semana

Durante a fase crítica da pandemia provocada pela COVID-19, esta agência CA manteve-se em permanente contacto com a Junta de Freguesia, no sentido de continuar a disponibilizar os serviços mais urgentes aos clientes fontenses, como o transporte e entrega das pensões aos mais carenciados ou grupos de risco e o permanente funcionamento do Multibanco.

Comércios Fontenses em tempos de pandemia – Móveis Chico e Supermercado

A vila de Fontes, em Santa Marta de Penaguião, é uma das localidades que, até ao momento, não registou qualquer caso de infeção por coronavírus.

Comentários Recentes

Graça Jacinto on Na cavaqueira com…
Lurdes Teixeira on Na cavaqueira com…
Graça Jacinto on Na cavaqueira com…
Graça Jacinto on Na cavaqueira com…
Acacio Mesquita Carvalho on Na cavaqueira com…
Graça Jacinto on Acidente mortal no Cóvo