8.2 C
Vila Real
Domingo, Maio 24, 2020
Inicio Crónicas Tenho muito orgulho no nosso país

Tenho muito orgulho no nosso país

Eu e o patriotismo nunca andámos de mãos dadas. Nunca consegui perceber o que isso é. Irei seguramene morrer sem que tal aconteça. Do nacionalismo nem falo, é-me desde sempre repugnante.

Tenho muito gosto em ser portuguesa. Nasci em Portugal, aqui vivi e fui educada até aos 18 anos, a minha cultura de nascimento é portuguesa. Recusei pedir a nacionalidade francesa quando vivi em França durante muitos anos e aí constituí família, apesar de me sentir perfeitamente integrada. Defendi muitas vezes Portugal contra o preconceito e a xenofobia, as ideias feitas e as idiotias e a pura ignorância de muitos franceses.

Nunca disse: tenho muito orgulho em ser portuguesa porque ser portuguesa, ou de outra nacionalidade qualquer é um mero acaso, não há de que ter orgulho.

Mas hoje, tenho muito orgulho no nosso país. Estamos no meio de uma crise que é das mais terrríveis. Uma doença ameaçando incontáveis vidas humanas em todo o planeta tem feito vir ao de cima nas nossas consciências o pior e o melhor da humanidade.

O pior: a falta de caridade ou, como gosto de chamar-lhe, compaixão, as profecias de fim do mundo, os rumores, a desinformação, o aproveitamento político dos que só pensam em poder, o aproveitamento dos especuladores. E o medo, não o que tolhe as reacções, mas o que leva pessoas, de outro modo perfeitamente inócuas, à propagação da desmoralização e da maldade.

O melhor: a solidariedade, a compaixão, o sacrifício, a dedicação, o trabalho, o bom humor, a coragem de ir contra o medo e a adversidade, a coragem de ir contra a maré.

Pois bem: tenho hoje o exemplo de uma pequena sociedade (somos uma gota de 10 milhões em 7 biliões de habitantes da Terra) que percebeu da base ao topo as prioridades da Vida. Aceitamos as regras que nos são impostas e achamos justas e criticamos as que achamos injustas, aceitamos as suas consequências e protestamos quando elas conduzem ao arbitrário, e os nossos melhores produzem o que é preciso e absolutamente essencial a uma sobrevivência digna: comida e outros bens materiais, saúde, cultura e paz.

Dêem uma vista de olhos pelo que se passa no mundo e verão: a fome continua em largas partes do planeta, o acesso básico à saúde ainda não é generalizado e menos ainda aos cuidados necessários ao combate a esta pandemia — e não é só nos países pobres, há países ricos em que a distribuição destas riquezas que nos pertencem a todos ainda é muito mais desigual do que entre nós –, as guerras que não acabam e outras que recomeçam, a desfaçatez de forças policiais que agridem não longe daqui pessoas cujo único pecado é o de estarem na rua, praticando a conhecida máxima dos desordeiros oficiais: dispara primeiro e pergunta depois, os grandes obedientes que só pensam em si próprios (ah face a isto, a passiva desobediência portuguesa é quase bendita), e por aí fora.

E nós? Pois bem, acatamos (nem sempre) resmungando desobedientemente, as ordens das autoridades que nos governam com conta, peso e medida, enfim, somos um povo com mais civismo do que se poderia esperar. Somos inventivos, desastrados, amigos, bisbilhoteiros, chicos-espertos e inteligentes, deixa-andar, industriosos, criativos e filosóficos, gente de boa cepa em geral e preconceituosos (sim, racistas, machistas, ignorantes, bestas quadradas de vez em quando). Não há como saber-se o que se é para melhorar a receita.

Mas o que despoletou o título deste texto é o seguinte:

  1. Um governo que percebeu o que esta pandemia significa em si e para além do presente imediato, um primeiro-ministro que vai à luta sem pejo e responde taco-a-taco, num Conselho Europeu, a um pacóvio que só vê o que tem em casa (sem perceber que não há casas imunes se em redor existir caruncho), e que percebeu que as mudanças que aí vêm é agora que têm de começar a ser construídas. O mesmo primeiro-ministro que pôs na ordem um escrevinhador de pasquim que lhe perguntou se não tinha exagerado ao chamar repugnantes as declarações do ministro holandês no Conselho Europeu. E de seguida, o governo que preside dá na prática uma lição dessa mesma solidariedade que pede, ao publicar um despacho que regulariza todos os imigrantes e requerentes de asilo que tenham processos pendentes no SEF, dando-lhes acesso a todos os serviços públicos, Serviço Nacional de Saúde e apoios sociais. Sim, tenho orgulho no nosso país.
  2. Em resposta aos choradinhos dos que só sabem deitar abaixo, muitas vezes sem compreenderam o que se passa realmente ou, quando o sabem, fazendo aproveitamento político das falhas e faltas que sofremos, temos cientistas, engenheiros e, esperamos, empresários com consciência social, a trabalhar para produzirmos o que nos faz falta em vez de cruzarem os braços e fazerem jeremiadas pelos muros mediáticos. Assim, já surgiram soluções para começarmos a produzir kits de testes, em vez de contarmos só com o que podemos comprar, e caro, nos mercados internacionais. Uma equipa do Instituto de Medicina Molecular, dirigido pela investigadora em Biociências e doenças infecciosas, Maria Manuel Mota, resolveu o problema dos reagentes que nos faziam falta e encontrou uma alternativa existente em Portugal. Uma boa notícia para as pessoas e para a economia. Também já estão em avaliação ventiladores cujos protótipos foram construídos por uma equipa dos Politécnicos de Viseu e Leiria, com colaboração de empresas e médicos. Esperemos que a avaliação pelo Infarmed seja expedita. Sim, tenho orgulho no nosso país.
  3. Há uma inúmera quantidade de simples cidadãos que organizaram respostas sociais a que dão o seu tempo e dedicação, ajudando pessoas em maus lençóis, quebrando a monotonia da internet com páginas e emissões educativas e lúdicas dedicadas às crianças e adultos, apoiando vítimas de injustiça ou arbitrariedades. Há autarquias que organizam as suas áreas para responderem ao desafio que o espalhar da infecção lança a todos nós e até as que sabem desobedecer se for preciso. Há cidadãos a fazerem o que podem ajudando os vizinhos com ofertas e palavras boas. Há artistas a oferecerem música e outras artes pela internet porque nem só de pão…    Sim, tenho orgulho no nosso país.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, introduza a sua mensagem!
Por favor, introduza o seu nome aqui

Últimas Notícias

Um pouco de diversão após o confinamento

É certo que a pandemia trouxe consigo muitas alterações, sentidas nos últimos dois meses de confinamento. Agora, é tempo de a...

Celebrações religiosas regressam a 31 de maio

Devido ao surto pandémico de COVID-19, as cerimónias religiosas foram suspensas em todo o país.

Alterações na gestão da água do concelho de Santa Marta de Penaguião

A “Águas Interior Norte” assume atualmente a gestão de abastecimento de água e a drenagem das águas residuais em oitos municípios...

Município penaguiense iniciou a atribuição de bolsas universitárias

Como é habitual todos os anos, o Município de Santa Marta de Penaguião, entrega entre hoje amanhã, no auditório municipal, cerca...

Comentários Recentes

Graça Jacinto on Na cavaqueira com…
Lurdes Teixeira on Na cavaqueira com…
Graça Jacinto on Na cavaqueira com…
Graça Jacinto on Na cavaqueira com…
Acacio Mesquita Carvalho on Na cavaqueira com…
Graça Jacinto on Acidente mortal no Cóvo