13.6 C
Fontes
Quinta-feira, Maio 28, 2020
Inicio Opinião EDP - 500 milhões de lucros no ano passado mas zero de...

EDP – 500 milhões de lucros no ano passado mas zero de responsabilidade social

Todos os dias os sites de denúncia de ilegalidades e abusos laborais recebem queixas sobre o comportamento das empresas durante e aproveitando-se da pandemia que vivemos. Empresas portuguesas e estrangeiras em território português, que há muito menosprezam e esmifram os seus trabalhadores com salários de caca e condições de trabalho irrecomendáveis, estão a mostrar mais do que nunca neste momento de crise o seu desprezo pelo bem social e a sua única preocupação: o lucro.

Apenas um exemplo

Um exemplo disto chega-nos reportado pela associação Resposta Solidária. A sua denúncia diz detalhadamente o seguinte em relação à EDP:

«A EDP – Energias de Portugal impõe a precariedade aos trabalhadores que fazem as leituras dos contadores de electricidade, contadores estes que cada um de nós tem à porta de casa ou dentro da mesma… Estes trabalhadores e trabalhadoras, há anos a falsos recibos verdes, ganham por cada leitura que fazem, e as despesas de deslocação para assegurar que estas leituras são feitas saem do seu próprio bolso.

Para fazerem o seu trabalho, andam de concelho em concelho, têm de chamar os clientes, tocar às campainhas, mexer em portões, caixas de contadores, entre outras situações que colocam a segurança de quem trabalha em risco. Reportam-nos que a EDP não fornece equipamento de proteção nem assegura as recomendações da DGS no que diz respeito à segurança e higiene de quem trabalha.

Em tempos como o que vivemos, em que só os trabalhos essenciais deveriam estar a ser realizados, a EDP que poderia recorrer a estimativas, deu indicações para que parassem de fazer as leituras dos contadores interiores, mas que continuassem a fazer aos exteriores. Esta medida fará com que estes trabalhadores baixem forçosamente os seus salários para níveis não aceitáveis, por via de baixar o número de contadores aos quais podem fazer a leitura.

Esta empresa, que terminou o ano de 2019 com lucros de 519 milhões de euros, devia ter vergonha, por depois de tantos anos a manter estas pessoas nesta situação de precariedade, não assegurar o mínimo de condições e segurança. Estas pessoas deviam ter contrato de trabalho e só por isso estão sem rendimentos e sem direitos quando o imprevisto acontece. A EDP tem no imediato de garantir que continuam a receber o salário. E, de uma vez por todas, esta empresa tem de celebrar contrato de trabalho com direitos com estas estas pessoas, como já deveria ter acontecido há vários anos».

Graça Jacinto/Resposta Solidária

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, introduza a sua mensagem!
Por favor, introduza o seu nome aqui

Últimas Notícias

Comércios Fontenses em tempos de pandemia – Cafés e Restaurantes

A 18 de maio, arrancou em Portugal, a segunda fase de desconfinamento. Nessa data, os cafés e os restaurantes voltaram a abrir as portas, após dois meses sem clientes sentados nas suas mesas. Em Fontes, o Cruzeiru's Bar e o Café Fonte Viva, dois exemplos de comércios que tiveram de encerrar por completo, voltaram à atividade com as condições de segurança necessárias para conquistar a confiança dos clientes.

Celebrações religiosas regressam a 31 de maio – Entrevista

Devido ao surto pandémico de COVID-19, as cerimónias religiosas foram suspensas em todo o país. Agora, com o levantar do estado de...

Um pouco de diversão após o confinamento

É certo que a pandemia trouxe consigo muitas alterações, sentidas nos últimos dois meses de confinamento. Agora, é tempo de a...

Celebrações religiosas regressam a 31 de maio

Devido ao surto pandémico de COVID-19, as cerimónias religiosas foram suspensas em todo o país.

Comentários Recentes

Graça Jacinto on Na cavaqueira com…
Lurdes Teixeira on Na cavaqueira com…
Graça Jacinto on Na cavaqueira com…
Graça Jacinto on Na cavaqueira com…
Acacio Mesquita Carvalho on Na cavaqueira com…
Graça Jacinto on Acidente mortal no Cóvo