19.4 C
Vila Real
Sexta-feira, Abril 23, 2021
Inicio Ciência Então e a cloroquina?

Então e a cloroquina?

Muito se tem falado da cloroquina como tratamento para a covid-19. A maioria das vezes, principalmente nas redes sociais, são postados textos que levam a crer que os estados não estão a usar este medicamento por razões inconfessáveis. Andámos a pesquisar material para podermos informar quem nos lê do que realmente é esta droga e quais são as indicações médico-científicas sobre a sua acção nesta pandemia.

Descobrimos um pequeno texto da brasileira Lígia Moreiras, Doutorada em Farmacologia pela Universidade Federal de Santa Catarina e Doutora em Saúde Coletiva pela mesma universidade, que de forma simples responde às questões que nos importam numa AULA ABERTA – SOBRE CLOROQUINA (OU HIDROXICLOROQUINA)

Vamos lá. Algumas informações básicas:

1) A dose diária recomendada é 25 mg/kg. Se chegar a 30mg/kg, pode matar. E aí, vai encarar aquela caixinha que você comprou no desespero?

2) Você quer usar? Sim. Você faz parte de ensaios clínicos controlados? Não. Então é melhor não usar… Pela sua vida…

3) Ela é metabolizada pelo fígado. Seu fígado está bom? Tem absoluta certeza?

4) Ela se liga facilmente à placenta e ao leite materno. Quer arriscar?

5) Como ela se liga facilmente a muitos tecidos, tem que haver uma dose de ataque relativamente alta. Lembra da pequena margem entre dose terapêutica e dose letal? Então…

6) Sabe quanto tempo ela demora para sair do corpo, para ser eliminada? Entre 1 e 2 meses. Lento… Pelos rins. Como estão seus rins, estão bem?

7) Lembra-se de que eu falei que a dose terapêutica e a dose fatal são bem próximas? Então… isso significa que o envenenamento agudo é extremamente perigoso e pode levar à morte em poucas horas.

8 ) Que tipo de efeito tóxico pode induzir? Sintomas cardiovasculares como hipotensão, vasodilatação, arritmias cardíacas e paragem cardíaca irreversível. Sintomas centrais como convulsões e coma. É por isso que a equipe tem que saber administrar, porque deve haver diluição e tem que ser bem lento. Toda a equipe da frente tem esse treino? Pergunta importante, né?

9) Tem reações adversas? Pode ter, sim. Quais? Fotossensibilidade; edema da retina; degeneração macular; supressão do nodo sinoatrial (lá no coração); insuficiência cardíaca; distúrbios de parâmetros sanguíneos; perda de cabelo; psoríase; mialgia; miopatia; quadros depressivos; psicose.

10) Todo mundo pode tomar? Não. Quem tem insuficiência renal não pode tomar, nem epilepsia, nem miastenia gravis, nem doenças sanguíneas ou neurológicas, nem psoríase, nem dermatites esfoliativas.

11) NÃO PODE SER ADMINISTRADA A QUEM FIZER USO DOS SEGUINTES MEDICAMENTOS (estou listando só os mais comuns, hein?):
– anticonvulsivos
– antiácidos à base de magnésio
– procainamida
– hidroclorotiazida
– eritromicina, claritromicina, azitromicina
– fluconazol
– estreptomicina
– antidepressivos tricíclicos como amitriptilina, imipramina, doxepina, clomipramina, melitrazina
– citalopram
– antipsicóticos
– inibidores da MAO
– domperidona
– odansetrona
– heparina
– apomorfina
– tiroxina

12) Há resultados promissores? Há. Em quem? In vitro. In vitro? Sim, no teste fora do ser humano. Mas e as pessoas que usaram e foram curadas? Há alguns poucos relatos. Não sabemos as reações adversas que tiveram para além de relatos pessoais. Não sabemos quais suas condições prévias de saúde. Não sabemos muito.

13) HÁ EVIDÊNCIA SUFICIENTE DE EFICÁCIA EM SERES HUMANOS? Não.

14) «Ah, mas ela é usada há tanto tempo como anti-malárico, mal não vai fazer…». Volta lá e lê de novo a margem estreita entre dose eficaz e letal, pessoas cujas condições prévias de saúde tornam não recomendável o uso e interação com outros medicamentos.

15) É melhor esperar outros estudos e resultados? SIM, COM CERTEZA.

16) «Ah, mas Bolsonaro acha bom tomar». Deixa ele tomar primeiro, uns 30 mg/kg ou um pouco mais para ser dose de ataque e não ficar dúvida, em rede nacional, e depois a gente decide.

É isso.
Enquanto isso, tem gente precisando da cloroquina realmente pra sobreviver em decorrência de outras doenças.

Vamos transformar quem amamos e a nós mesmos em cobaias?
Bom, eu não recomendo.
Não, até que tenhamos protocolos seguros. Ou vamos trocar uma morte evitável por outra?

Obscurantismo e negacionismo também matam. E nesse caso, não vamos nem ficar sabendo que foi em decorrência dessa droga. Vai tudo pra conta da COVID-19.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, introduza a sua mensagem!
Por favor, introduza o seu nome aqui

Últimas Notícias

Martim Pereira, o talento Penaguiota

Martim Pereira, Fontense de gema, tem 12 anos e é tido como a futura promessa do futebol português. Quem o conhece, fala da personalidade discreta e humilde que o caraterizam. Embora discreto, o seu talento a dominar a bola não passa ao lado dos olheiros do futebol, a quem desde cedo começou a despertar a atenção.

Tomada de posse dos órgãos sociais da FCM

Durante o dia de ontem decorreu a cerimónia de tomada de posse da nova direção da Fundação Dr. Carneiro Mesquita (FCM).

Agência CA de Fontes reabre na próxima semana

Durante a fase crítica da pandemia provocada pela COVID-19, esta agência CA manteve-se em permanente contacto com a Junta de Freguesia, no sentido de continuar a disponibilizar os serviços mais urgentes aos clientes fontenses, como o transporte e entrega das pensões aos mais carenciados ou grupos de risco e o permanente funcionamento do Multibanco.

Comércios Fontenses em tempos de pandemia – Móveis Chico e Supermercado

A vila de Fontes, em Santa Marta de Penaguião, é uma das localidades que, até ao momento, não registou qualquer caso de infeção por coronavírus.

Comentários Recentes