15.9 C
Vila Real
Sexta-feira, Abril 23, 2021
Inicio Covid-19 Quando a estupidez não tem limites

Quando a estupidez não tem limites

Compreende-se que num primeiro tempo da pandemia, houvesse pessoas que não entendessem as consequências dos comportamentos arreigados no espalhar da doença e tivessem, portanto, a tentação de descartar as instruções das autoridades de saúde ou de, pelo menos, «flexibilizá-las». Não é fácil mudar hábitos e aceitar o impensável.

Mas como compreender a rematada estupidez?

O que se passou nalguns lares e nalgumas localidades pertence a essa categoria e é criminoso. Instituições responsáveis por pessoas idosas organizaram neste domingo de Páscoa um simulacro de compasso pascal e deram a beijar uma cruz aos seus utentes, supostamente desinfectada, depois de cada beijo, sempre com o mesmo paninho que não serviu para mais do que exponenciar o risco de infecção pela covid-19. Chamo-lhe um simulacro porque a cruz é um símbolo de ressurreição e esperança para milhões de cristãos no mundo e esta que ali foi apresentada levou a cada um a potencialidade da morte.

Grave, gravíssimo

Pode-se desculpar a colaboração das trabalhadoras elas próprias beijadoras? Pode-se. Não sabemos se foram coagidas, manipuladas ou se são apenas obedientes cegas da estupidez e da superstição. Mas então e os padres que colaboraram e/ou instigaram esta farsa? Estúpidos, desinformados? Criminosos e arrogantes. A Igreja Católica suspendeu todos estes ritos face aos riscos. Fechou as suas igrejas ao povo, as missas são transmitidas pela tv e pela rádio, os rituais cumpridos à distância por todo o lado. Mas há sempre quem aproveite para «ser mais papista que o Papa». O poder espiritual tanto pode salvar como degradar. A devoção dos que beijaram a cruz pode ser entendida, mas os que oferecem uma cruz envenenada são gente vil, manipuladora da boa-fé dos que nela confiam.

Graça Jacinto

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, introduza a sua mensagem!
Por favor, introduza o seu nome aqui

Últimas Notícias

Martim Pereira, o talento Penaguiota

Martim Pereira, Fontense de gema, tem 12 anos e é tido como a futura promessa do futebol português. Quem o conhece, fala da personalidade discreta e humilde que o caraterizam. Embora discreto, o seu talento a dominar a bola não passa ao lado dos olheiros do futebol, a quem desde cedo começou a despertar a atenção.

Tomada de posse dos órgãos sociais da FCM

Durante o dia de ontem decorreu a cerimónia de tomada de posse da nova direção da Fundação Dr. Carneiro Mesquita (FCM).

Agência CA de Fontes reabre na próxima semana

Durante a fase crítica da pandemia provocada pela COVID-19, esta agência CA manteve-se em permanente contacto com a Junta de Freguesia, no sentido de continuar a disponibilizar os serviços mais urgentes aos clientes fontenses, como o transporte e entrega das pensões aos mais carenciados ou grupos de risco e o permanente funcionamento do Multibanco.

Comércios Fontenses em tempos de pandemia – Móveis Chico e Supermercado

A vila de Fontes, em Santa Marta de Penaguião, é uma das localidades que, até ao momento, não registou qualquer caso de infeção por coronavírus.

Comentários Recentes